Personalidade: Vilma Chiara

supertrunfo-vilma

Vilma Chiara carrega na bagagem diversas experiências com etnias indígenas, tais identidades que se tornaram base da construção cultural do Brasil. Graduada em Ciências Sociais pela Escola de Sociologia e Política, em São Paulo, Vilma construiu sua carreira acadêmica em conceituadas universidades nacionais e internacionais.

Em 1969, com a dissertação Les Poupées d’Argile des Indiens Karajá, Rio Araguaia, Brésil, conquistou o título de mestre na Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales, em Paris. Ainda na academia francesa, em 1982, consagrou-se doutora com a tese L’Homme et l’espace chez les Indiens Kraô – Goiás – Brésil. Em paralelo à vida acadêmica, Vilma estagiava nos grandes museus de catalogação de etnias a cidade parisiense.

Da Europa a América do Norte, nos Estados Unidos, Vilma ingressou na Harvard University e Iowa University para obter mais um grau acadêmico: o pós-doutorado. Obteve o título em PhD com a Elaboração das Análises Antropológicas do Gênesis. Na ocasião, aproveitou para fazer alguns cursos complementares em sua formação, como o de Etnomusicologia e Museologia. Em sua estadia no país norte-americano, Vilma fez estágios em vários museus locais. Na cidade de Washington D.C fez algumas restaurações de peças de cerâmica, de madeira e de palha. Em Chicago, na organização de acervo. Trabalhou também nas cidades de Nova Iorque, Filadélfia e Santa Fé, Novo México.

A antropóloga consolidou sua carreira nas salas universitárias da Universidade Federal do Piauí, no qual lecionou durante 18 anos. No Museu Paulista, trabalhou em diversos projetos e nos seus 12 anos de casa atuou na seção de etnologia, nas pesquisas etnográficas, coletas de peças, catalogação, organização e restauração do acervo.

Vilma Chiara vai ministrar o workshop “Folklore: uma visão antropológica” no evento “Folclore a gosto”, promovido pelo Encontro da Amazônia, nos dias 18, 19 e 22 de agosto.

 

Texto: Marcos Dias

Arte: Glauco Teixeira Leite